Trezentos e Tantos Dias de Cultura!
Um desafio! O que será que muda [se mudar] quando se sujeita uma pessoa a um ano inteiro de cultura, em todas as suas formas e feitios? Descobrir-se-à que sempre é verdade que as pessoas [e os gostos das pessoas] não se mudam, educam? Só lendo!
17 de Agosto de 2009

Segunda-Feira!

 

O dia esperado! A emoção, o coração a bater assim mais rápido, o nervoso miudinho [que no meu caso já devia ser nervoso sénior tendo em conta que estava nervoso já há uma data de tempo], os dedos a tremerem ligeiramente!

Às nove em ponto - em ponto no meu mundo que normalmente não coincide com o mundo dos outros - estava no meu local de estágio, para falar com a Doutora, visto que tinha intenção de começar nesse dia!

 

Olhe desculpe a Doutora só vem às 11!

 

Em circunstâncias normais teria ficado assim com um grande melão, ou uma grande melancia, ou uma grande abóbora [vocês percebem o que eu quero dizer], mas como era um dia especial voltei para casa, a pé - ou seja da mesma forma que tinha vindo para o meu local de estágio - ainda mais nervoso do que antes!

 

Às onze, mais coisa menos coisa, depois de mais uma caminhada de quinze minutos, lá estava eu no meu local de estágio, de novo, para falar com a Doutora!

Desta vez ela já lá se encontrava.

Respirei fundo, enchi-me de coragem, e preparei-me para o frente a frente!

 

Olhe desculpe [mas toda a gente começa as frases assim ou quê?}] acabei de vir de férias e ainda tenho tudo desorganizado por isso pode começar na quinta ok?

 

Acho que nem preciso de comentar a abóbora com que fiquei! Mais valia dizerem logo, olhe amor a gente não quer assim badochas como você no nosso super fashion local de estágio por isso toca a fazer mais uma caminhadazita de quinze minutos para eliminar essas toxinas acumuladas tá?

 

Conclusão, uma hora de caminhada para nada - e não me venham falar dos benefícios para a saúde e tal e tal e tal que eu não quero saber!

Pior que tudo, agora estava em casa, numa segunda-feira, sem nada para fazer, visto que existem pessoas brilhantes [cof cof] que resolvem fechar tudo o que é museu à segunda-feira!

Já que a hipótese sair de casa para me enfiar num edifício a olhar para obras de arte estava totalmente posta de parte, entretive-me a ouvir a colecção da Maria Callas - aqueles que costumam acompanhar a minha odisseia e são detentores de uma memória prodigiosa lembram-se da minha referência a ela - que tinha comprado fazia pouco tempo naquele sitio de culto ao divino que é o consumismo que dizem responder por FNAC!

 

Numa palavra apenas!

 

Fenomenal!

 

 

 

E para não dizerem que eu não sou um moço assim de causas, resolvi que quando tiver mais uns tostões [ou seja, daqui a uns bons tempos que tenho andado mais teso que um carapau ressequido ao Sol da Margem Sul que alguns dizem que foi elevado ao estatuto de deserto] vou à União Zoófila [tudo a carregar no link] para apadrinhar um gatinho!

 

[É que levar para casa um gatinho ia-me fazer ter ataques de espirros de 4 em 4 minutos! -Questiono-me se a União terá daqueles gatinhos sem pêlo?]

 

publicado por Alforreca às 07:11 link do post
15 de Agosto de 2009

Jerónimo Martins faz declarações na Sardinhada da Mata de Monte Gordo!

 

 

Serei o único a achar que as duas coisas não combinam?

publicado por Alforreca às 20:54 link do post
15 de Agosto de 2009

O bilhete para o menino é grátis!

A minha cara podia ser comparada à cara de uma pessoa que tivesse acabado de ter um orgasmo, o que provavelmente até não estaria muito longe da verdade, porque sempre que a palavra grátis se encontra inserida numa frase as minhas hormonas dão triplos saltos mortais  - tirando obviamente as vezes em que a palavra não vem juntamente com a palavra grátis, situação que devia ser proibida por lei e castigada com chicotadas!

Após três hora de viagem com os meus pais estava novamente em Lisboa, deixando para trás os canais com chuva da terrinha! Tinha sido uma visita relâmpago, mas eu preferia assim, porque muito tempo na terrinha deixa-me assim a modos que aborrecido [para não dizer num estado vegetativo, ou como eu lhe gosto de chamar, estado pepinal!]

Imbuído [ai como eu gosto desta palavra, já a devo ter usado aqui sei lá quantas vezes] como estou da urgência cultural [não da urgência para ir à casa-de-banho note-se] ainda nem eram quatro da tarde estava eu em frente do Palácio de Queluz, que segundo rumores é comparável ao Palácio de Versailles! Obviamente que como bom português que sou a minha credulidade em tal rumor era mais baixa que nula, porque desde quando é que Portugal tem uma coisa que podia ser tão boa, tão rica, tão adorável como o Palácio de Versailles? Não que eu alguma vez tenha visitado tal monumento, mas pelos rumores que ouço aquilo é assim giro a valer - como podem ver rumores acerca de coisas nacionais uma pessoa não acredita, rumores acerca de coisas internacionais, nem que seja um boato sobre uma galinha que construiu um mosteiro para o culto do frango assado, uma pessoa até é capaz de jurar que é verdade e é a melhor coisa do mundo!

Mas com ou sem rumores, lá estava eu no Palácio de Queluz, pensando tristemente porque não tinha eu chegado um bocado mais cedo da terrinha, visto que aos domingo até às duas da tarde museus e palácios assim no geral são à borla!

Qual não foi o meu espanto, quando a senhora da bilheteira me disse que o bilhete era grátis! Eu bem que perguntei outra vez para ter mesmo a certeza se tinha escutado bem, e  assim como quem não quer a coisa tentei ver se havia algum relógio na parede para ter a certeza que não estava num fuso horário diferente e me tinha esquecido de acertar as horas do meu telemóvel [que faz meses que o meu pulso não vê um relógio!]

Ao que parece, o Palácio de Queluz é grátis [mais um orgasmo pequenino aqui só de pensar na palavra] para estudantes, por isso é só abanar o cartão à frente do rosto da senhora da recepção com um ar triunfante e entrar qual pessoa importante!

 

E pronto, dou a mão à palmatória! O Palácio de Queluz supera qualquer rumor, boato ou coscuvilhice sem escrúpulos! É lindo, por dentro e por fora!

Versailles, rói-te de inveja!

 

[E como eu sou assim adorável - eu sei que sou vá não precisam de o dizer - ficam aqui alguns registos fotográficos!]

 

 

 

 

publicado por Alforreca às 11:05 link do post
15 de Agosto de 2009

O quê? A Ana Malhoa deu cá um concerto ontem?

Após esta revelação todo o meu mundo colapsou, o sentido que tinha dado à minha vida até então perdeu-se completamente, lágrimas reluziram nos meus olhos e uma quantidade de ranho indescritível bloqueou o meu nariz!

 

Pronto, provavelmente não estão a perceber patavina por isso deixem-me fazer um rápido resumo do que aconteceu até ao momento de tal declaração!

 

6:05 - Mais morto que vivo, completamente a dormir em pé, entro no comboio em direcção a Lisboa! Após ter chegado a casa vindo da Quinta da Regaleira [se não se lembram toca a ir ver o post relativo ao Dia 6] entreguei-me à adorável arte de limpar a casa [uii que emoção] para evitar adormecer, senão roncava até ao meio-dia mais coisa menos coisa! Com uma directa em cima ainda consegui mudar de comboio e entregar o passe ao senhor revisor - vulgo pica!

 

6.40 - Compro o bilhete de autocarro para a Sertã, onde os meus pais estão à minha espera com o meu avô! Penso que a minha semana de descanso livre de pais está a chegar ao fim. Os pensamentos são rapidamente substituídos por um estado de sonolência agravado!

 

7.00 - Entro para dentro do autocarro maribando-me com o lugar marcado no bilhete! Vou para os bancos traseiros e refastelo-me num! Tento ler um bocadinho só para dar um ar assim de culto, e porque o desafio a que me propus já está totalmente imbuído em mim, mas pouco tempo depois já estou a dormir de boca aberta e a babar-me completamente! Acordo de vez em quando devido às cabeçadas que dou na janela do autocarro! Nada de grave!

 

10.15 - Chego à Sertã, com algumas energias já recuperadas! Salto do autocarro procurando os meus pais!

 

10.16 - Encontro a minha mãe. A primeira coisa que me diz é porque raio não fiz eu a barba [que devia estar para aí de três dias no máximo!]. Vou de encontro ao meu pai, que me questiona a razão de não ter feito a barba! Dou dois beijinhos ao meu avô! Diz que estou mais magro, e a seguir fala da minha barba - que originalidade!

 

10.20 - A minha mãe lança-me a bomba que a Ana Malhoa esteve nas festas de Pedrógão Grande no dia anterior! O meu mundo colapsa!

 

Acho que com este resumo já devem ter ficado a perceber a odisseia a que me propus para ir ao encontro da minha família!

No entanto tenho de referir que o meu avô vive numa terrinha muito famosa, não que já tenha aparecido nas notícias ou coisa do género mas pelo facto de eu já ter falado dela a toda a gente, nem sempre pelas melhores razões claro!

 

Deixo aqui um pequeno resumo das coisas que todo o mortal deve saber acerca da terrinha do meu avô!
 

  1. A terrinha do meu avô é apelidada de Casal dos Bufos! Não sei quem teve a brilhante ideia de a chamar assim nem faço ideia de onde o nome provém, creio que é um mistério digno de investigação do senhor Hermano Saraiva! Talvez fosse por lá habitar um casal que não conseguia guardar um segredo, ou talvez o nome esteja associado a razões um pouco mais mal cheirosas!
  2. Na terrinha só existem 4 canais de televisão, e dois deles têm chuva!
  3. A terrinha é o local onde todos os familiares e conhecidos são alcoólicos, se mataram atirando-se para uma barragem ou têm histórias românticas com ovelhas!
  4. Quando se encontra alguém na terrinha, se nos dermos ao luxo de fazer uma pequena investigação descobrimos que essa pessoa ainda é nossa familiar em quinto grau, porque se casou com a prima da irmã da filha bastarda do meio irmão do nosso tio avô! E é logo ali uma festa no meio da rua quando tais laços são descobertos!

Mas eu gosto da terrinha, é boa para se dar uns passeios e respirar o ar puro! Todos os anos caminho até ao Vale Miguel [nome super fashion eu sei] que é o local onde o meu avô viveu durante muitos anos, mas agora está desabitado!

 

E não me posso esquecer da maravilha que são o maranho e o bucho! Não sabem o que é? Vejam só as fotos para ver se vos acende alguma luzinha!

 

 

 

publicado por Alforreca às 10:51 link do post
15 de Agosto de 2009

Pois é caros leitores, aposto que já tinham esgotado o stock de embalagens de lenços de papel do Minipreço devido aos ataques compulsivos de choro que tiveram pelo facto de terem presumido, erradamente claro, que eu tinha tido uma over-culture-dose e decidido abandonar a blogoesfera!

Como podem constatar aqui estou eu de volta, para alegrar a vossa vida, e com algumas explicações, muito pouco convincentes mas pronto é o que se arranja, acerca da minha ausência.

Primeiro que tudo, ando cheio de trabalho! Oh claro, a desculpa de sempre hão-de vocês dizer! Mas honestamente, nunca pensei que o maravilhoso estágio onde me meti fosse assim como uma esponja tamanho gigante, ou seja absorve-me o tempo todo! E se fosse somente trabalho dentro das horas propriamente ditas que eu tivesse estava a coisa controlada, mas ao que consta existe algo que se chama trazer trabalho para casa - uma invenção digna de um Nobel está-se mesmo a ver!

Em segundo lugar, andei nos últimos dias assim um bocadito que pró doente! E antes que comecem a desinfectar os vossos teclados ou a fechar a janela do browser por temerem uma nova via de contágio, controlem os vossos corações aflitos, foi somente uma paragem de digestão, mas que chegou para eu andar assim que a arrastar-me pelos cantos durante algum tempo!

Finalmente, tenho de confessar que isto de arranjar algo cultural para fazer por dia também ocupa tempo, e posso orgulhar-me que ainda não falhei um dia até hoje - palminhas para mim! Claro que vocês não podem saber isso porque eu sou um indecente e não tenho actualizado o blog! Mas como sou apologista do prometido é para manter, tenho apontado tudo o que tenho feito para agora assim numa maratona de posts pôr-vos a par de todas as novidades!

E já agora quero agradecer a todos os que me têm deixado sugestões culturais - especialmente aquelas grátis, vocês já me conhecem tão bem é incrível, até fico emocionado - e pedir que continuem assim!

 

Ah, e quero acrescentar que se alguém precisar de conselhos sobre protectores e queimaduras solares ou pernas cansadas eu já estou um expert no assunto! [Nem sei se deva ficar feliz ou não!]

 

publicado por Alforreca às 10:28 link do post
05 de Agosto de 2009

Ando soterrado de trabalho!

Não que me tenham caído trezentas caixas de medicamentos em cima, mas da forma como algumas estão perigosamente equilibradas nas prateleiras pouco faltará!

Já não me faltava trabalhar de sol a sol como tenho de apresentar, ironia das ironias, um belo esquema relativo à protecção solar!

Querem protecção? - Fiquem em casa! Bah!

publicado por Alforreca às 07:55 link do post
01 de Agosto de 2009

Muitas vezes sinto falta do espectacular tempo que passei na Polónia!

 

De todas as fotos que tirei, gosto especialmente desta! Tirada a uma parede de uma faculdade em Varsóvia, porque as faculdades não têm que ser blocos de cimento sem vida e personalidade!

 

 

[Se o polaco quando falado não se assemelhasse ao barulho de um aspirador a vácuo então sim, a Polónia era mais que perfeita!]

publicado por Alforreca às 22:20 link do post
31 de Julho de 2009

Será que arrumar centenas de caixinhas conta como actividade de alto nível cultural?

 

Pelo menos estou a dominar completamente o alfabeto!

 

 

 [...]

 

 

Algo me diz que tal domínio não será um grande motivo de orgulho para uma pessoa da minha idade!

publicado por Alforreca às 13:47 link do post
30 de Julho de 2009

Vá, blog não era blog sem ter alguns momentos nostálgicos assim inseridos pelo meio! Tenho ou não razão?

 

Estas duas músicas em particular transportam-me sempre para um determinado apartamento situado algures na Grécia! [e não preciso de me preocupar se levo bagagem a mais - por causa dessa brincadeira no meu regresso fiquei paupérrimo!].

 

 

 

 

Amado Mio - Pink Martini

 

 

 

 

Let's Never Stop Falling In Love - Pink Martini

 

publicado por Alforreca às 08:04 link do post
29 de Julho de 2009

Ai que estou a morrer, temos de ir mais devagar!

 

Olhei para a Pirili com um ar completamente estupefacto, então a mulher que me tinha feito uma caminhada de 21 kms durante a noite pelo meio da mata com mais uma data de pessoas estava-se agora a queixar duma subida de meia dúzia de metros?!?

O olhar que ela me lançou de volta foi uma espécie de se-comentas-dou-te-uma-cabeçada-que-nem-sabes-de-que-terra-és por isso preferi abrandar o passo e fingir que estava subitamente interessado nas frestas do alcatrão...quem sabe não faria uma especialização nessa temática.

Pouco tempo depois estávamos no ponto de encontro para o acontecimento dessa noite, ou seja o café da Quinta da Regaleira, onde nos instalámos [sem consumir nada obviamente que a vida está difícil] esperando pelo início do espectáculo, que diga-se de passagem prontamente começou! E agora perguntam vocês, completamente consumidos pela curiosidade que eu bem sei e não vale a pena negar, que espectáculo? Foi nem mais nem menos .....tã-nã-nã-nã...momento de suspense fatela... A Tempestade de William Shakespeare apresentada pelo Teatro TapaFuros! [Já agora questiono, alguém sabe se esta companhia de teatro faz part-times de canalizadores ou similares, é que o nome é deveras sugestivo!]

 

Posso dizer que fazia muito tempo que uma peça de teatro me deixava num estado de êxtase tal que parecia que tinha estado com a Ana Malhoa a uma distância inferior a 10 cms. [sim a Ana Malhoa mexe comigo e não me importo que metade da população cibernética tenha ficado chocada com estas revelações!]

Como a peça ainda se encontra em cena e eu quero muito, mas assim muuuuuuuuuito, que os meus queridos [e não queridos que isto a cultura é para toda a gente] leitores vão vê-la, não vou fazer spoilers - também conhecidos por ai a porcaria do gajo que está aqui a contar a história toda e a tirar a piada à coisa, já se calava se não quer ser aviado de duas lambadas na fuça -, somente vou referir que a peça engloba dois cenários, um passeio arrepiantemente delicioso, uma gruta natural, as ameias de um castelo e uma praia construída de raiz, que me fez por inúmeras vezes duvidar se não me encontraria num qualquer barquito de madeira à deriva observando o desenrolar da trama!

 

E para aqueles que dizem que não existem actores em Portugal dignos desse nome, vão ver a peça! Depois falam comigo, tá?

 

[Eu sei que disse que não fazia spoilers, mas não resisto a deixar aqui algumas imagens para convencer os mais indecisos! Desculpem a má qualidade das fotografias mas diz que não era permitido tirar fotos com flash além de que existe aquele fenómeno chamado outras pessoas que pagaram bilhetes e ficam irritadas quando alguém está constantemente a sacar da máquina fotográfica que até faz um barulhinho a meios que enervante!]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Alforreca às 23:59 link do post
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que aconteceu ctg?Onde estás?Como correu o teu ano...
muito muito bom. quase tão bom a escrever c...
Não foi bem na mata. Foi no parque de merendas. Ma...
Eu também já aqui estive.E que pensamento surgirá ...
Voltaste? :)Boa sorte para o estágio, já agora que...
www.ligaportugal.blogs.sapo.pt
Boa tarde,O Trezentos e tantos dias de cultura est...
Eu já aí estive... ainda andava na escola secundár...
Mas vocês só decidem começar a vomitar posts depoi...
Olá João!Fico feliz por poderes estar presente no ...
blogs SAPO